sexta-feira, 22 de setembro de 2017   inicía sessão ou registrar-te
 
Protestante Digital
 
Flecha
 
 
SIGA-NOS EN
  • Twitter
  • Facebook
 

Newsletter
Newsletter, recebe todas as notícias em tua bandeja de entrada
 
 
 
 

ENCUESTA
Encuesta cerrada. Número de votos: 0
VER MÁS ENCUESTAS
 



Crise humanitária
 

Cristãos em Iraque: ‘Só queremos voltar para casa’

Muitos cristãos têm fugido de *Qaraqosh, até agora considerada a capital “cristã” do norte de Iraque, depois de cair em mãos do Estado Islâmico.
ERBIL 14 DE AGOSTO DE 2014

Bem como sucedeu em Mossul, os cristãos de *Qaraqosh, no norte de Iraque, viram-se obrigados a sair de suas casas e iniciar uma marcha para outros lugares para procurar refúgio imediato.



Segundo conta uma reportagem da agência *Efe, há centenas de cristãos deslocados a *Erbil, outra das principais cidades da zona e que está entre os objetivos mais imediatos do Estado Islâmico, ainda que por enquanto não tem conseguido chegar até ali, depois da ofensiva dos grupos curdos e a ação militar dos Estados Unidos.


Na igreja Mar *Yusef encontram-se dezenas de cristãos fugidos de outras regiões. Querem, antes de mais nada, poder regressar a seus lares. “Quando me neguei a converter ao islam começaram a me bater, me roubaram todos os documentos e com uma faca me deixaram *torto”, relata a *Efe *Mujlis *Yusef *Yajub, de 35 anos, residente em *Qaraqosh e agora deslocado neste templo no bairro de *Ankawa da capital curda.



*Yajub *rememora assim o sucedido na passada terça-feira, quando os *yihadistas do Estado Islâmico ocuparam sua cidade, no norte de Iraque, e realizaram uma *redada em procura de cristãos, aos que obrigavam a converter ao islam ou a fugir de seus lares.



Com o olho visivelmente afetado, *Yajub recorda como um grupo de homens armados lhe assaltou e sequestrou umas horas, durante as que lhe *bateram com pau, na antiga casa do governador da cidade, até que um comando superior do *EIIL ordenou que o liberassem.ya*jub se foi, mas deixou atrás a sua mulher e a sua filha, que se escondem em *Qaraqosh, a que até a semana passada era a maior população cristã de Iraque.



NECESSIDADE DE ALIMENTOS

Como *Yajub, na igreja de Mar *Yusef (San José) há centenas de cristãos árabes que se viram obrigados a abandonar suas casas para refugiar na capital do *Kurdistán iraquiano.



Famílias reunidas baixo as poucas árvores que dão algo de sombra no meio do *sofocante calor iraquiano, meninos com sorrisos serenos ante o que lhes está a suceder ou improvisados, cozinheiros que preparam a comida são alguns dos elementos da paisagem desta igreja, hoje reconvertida em campo de refugiados. “Assim que começamos a escutar disparos nos fomos todos”, diz a *Efe *Nayi *Yadar.



Este antigo guarda de uma igreja de *Qaraqosh relata como levou na passada terça-feira num *motocarro a doze membros de sua família, entre eles sua mulher e seus três filhos, em direção a *Erbil para fugir do *EIIL. Algo parecido, mas num carro alugado e desde Mossul, a capital da província setentrional iraquiana de *Nínive, fez *Saad *Nayim, antigo empregado do Ministério de Recursos Hídricos. *Nayim, de 44 anos, fugiu o passado 8 de junho, quando o *EIIL chegou a sua cidade, para *Bartila, de onde teve também que escapar dias depois ante o avanço dos *yihadistas na região.



Hoje, nesta igreja de *Erbil, *Nayim queixa-se de que não há nada que fazer e de que só podem comer arroz e coisas simples” que lhes traz a gente, pois já não lhes fica nada de dinheiro. Dormem em tendas que espalham sobre o pátio *ajardinado da igreja.



“Ninguém vai fazer nada por nós, não tenho nenhuma esperança de que o Governo iraquiano se vá preocupar pelos deslocados cristãos”, afirma *Yajub, quem culpa ao premiê em funções hoje apartado do poder, *Nuri ao *Maliki, do *éxodo cristão no norte do país depois de ter abandonado” Mossul o passado junho.



Desde que começasse esta crise provocada pelo avanço do *EIIL, que tem proclamado um *califato que se estende a ambos lados da fronteira entre Iraque e Síria, se estima que uns 120.000 cristãos se viram obrigados a fugir destes milicianos *yihadistas.



AUMENTA O COMPROMISSO ECONÓMICO DA UE

A União Européia tem anunciado o aumento do orçamento anual para Iraque, atingindo os 20 milhões de euros.



Desde Europa, alguns países estão a tomar também ações *prátcas. Grã-Bretanha disse que enviou vários aviões de combate “Tornado” em apoio às equipas que distribuem assistência aos refugiados *yazidíes desabrigados no meio do monte *Sinjar.



Um *corresponsal da BBC na fronteira entre Iraque e Síria informou ter visto filas de refugiados *yazidíes cruzando a fronteira, muitos a pé. Descreveu a crianças e bebés que jaziam *definhando-se ao lado da estrada no *abrasador calor, demasiado débis para falar ou chorar.



Anteriormente, um porta-voz das Nações Unidas na cidade iraquiana de *Irbil expressou que a situação era uma séria crise humanitária.



CHAMADOS À ORAÇÃO E JEJUM

Igrejas, denominações e organizações de todo mundo estão a expressar seu desejo de paz para Iraque e a intenção de orar pela situação das minorias neste país.



A organização Portas Abertas tem feito um chamado à oração e o *jejum para a próxima sexta-feira 15 de agosto. “Nossos irmãos de Iraque são vítimas da violência mais horrível. Não podemos calar ante semelhante *barbarie. Devemos levantar nossas vozes e nossas orações ao Senhor para *interceder por nossos irmãos”, expressava numa carta enviada nesta terça-feira.



“Queremos propor-vos que envolvais a vossas igrejas num dia de oração e *jejum nesta sexta-feira 15 de agosto. Sabemos que é algo precipitado mas a urgência da situação de nossos irmãos assim o requer. Sabemos que todas as igrejas têm seus programas organizados, mas seria *estupendo que façais pública a gravidade da situação da igreja em Iraque”, dizem desde Portas Abertas, que segue de perto a situação dos cristãos na região.
 

 


0
COMENTÁRIOS

    Se queres comentar ou

 



 
 
ESTÁS EM: - - Cristãos em Iraque: ‘Só queremos voltar para casa’
 
 
 
 
RECOMENDAÇÕES
 

Protestante Digital é um diário online gratuito que se financía por meio da publicidade e patrocinadores. Para apoiar nosso trabalho e poder seguir desenvolvendo esta atividade de uma maneira aberta aos leitores, você pode fazer uma doação mediante PayPal ou fazendo uma transferência bancaria (com o assunto: Doação Protestante Digital).

ES85 21000853530200278394
 
PATROCINADORES
 

 
AEE
PROTESTANTE DIGITAL FORMA PARTE DA: Alianza Evangélica Española
MEMBRO DE: Evangelical European Alliance (EEA) y World Evangelical Alliance (WEA)
 

As opiniões vertidas por nossos colaboradores se realizam a nível pessoal, podendo coincidir ou não com a postura da direção de Protestante Digital.