sábado, 18 de novembro de 2017   inicía sessão ou registrar-te
 
Protestante Digital
 
Flecha
 
 
SIGA-NOS EN
  • Twitter
  • Facebook
 

Newsletter
Newsletter, recebe todas as notícias em tua bandeja de entrada
 
 
 
 

ENCUESTA
Encuesta cerrada. Número de votos: 0
VER MÁS ENCUESTAS
 



80 pessoas executadas
 

Execução pública de norcoreanos por ter biblias

Como em um moderno circo romano, o regime de Kim Jong Um fez que um grupo de condenados fossem metralhados diante de um público de 10.000 pessoas.
SEÚL 12 DE NOVEMBRO DE 2013

Kim Jong Um, o jovem ditador que domina a Coréia do Norte, tem levado a cabo sua primeira execução em massa e pública de supostos “dissidentes”. Segundo tem informado odiario surcoreano JoongAng Ilbo,80 pessoas teriam perdido a vida a mãos do Estado em 7 cidades.



Acusava-se-lhes de crimes” tão diversos como ter visto programas de televisão estrangeiros, distribuir pornografía ou estar em posse de uma Biblia; todos considerados materiais subversivos para a ditadura comunista.



O diário, que tem dado a conhecer a informação em sua portada, se baseia em uma fonte interna de confiança que esteve no país no momento dos fatos e afirma que sucederam o fim de semana do 2 e o 3 de novembro. Outros rumores que chegam desde o fechado sistema norcoreano confirmariam estas informações.



Kim Jong Um teria ordenado levar a cabo sua primeira execução pública em massa como severo aviso a toda a população. Esta era uma prática habitual de seu pai Kim Jong Il, de quem tomou o controle do regime quando morreu.



EXECUÇÕES: SHOW DE TERROR PARA Os CIDADÃOS

Wonsan é uma das 7 cidades nas que se teria organizado esta demonstração de terror. Ali obrigou-se a 10.000 pessoas (entre eles meninos) a reunir no estádio esportivo local para ver como eram metralhados com armas de fogo um total de 80 acusados. Atou-se-lhes a postes com a cabeça tampada com carteiras brancas. Os espectadores “viram aterrorizadas como os corpos eram ametrallados até o ponto de que passaram a ser dificilmente reconhecidos”, explica a fonte.



Os supostos cúmplices dos executados e seus familiares foram enviados a campos de concentração.



Wonsan é uma cidade portuariaque o dirigente Kim Jong Um está planificando converter em um destino turístico, com hotéis, um aeroporto e uma estação de esquí. O objetivo da execução pública teria sido frear as mostras de descontentamento de parte da população e evitar qualquer tentación dos cidadãos de unir à fita-cola capitalista que poderia acompanhar a chegada destes projetos turísticos.


EXECUÇÃO POR ATIVISMO RELIGIOSO

O governo considera que é um ato de traição ver filmes ou programas produzidos no estrangeiro, especialmente na Coréia do Sur. Também se castiga severamente a corrupção da moral pública, como as condutas sexuais que se consideram desordenadas.



Neste sentido, a lei castiga com a morte as tentativas de conspirar contra o poder e o terrorismo. Mas o regime ganhou-se a fama de executar também a seus cidadãos por crimes menores como o ativismo religioso.



Nenhuma destas execuções públicas deram-se em grandes cidades, onde Kim Jong Um quer manter um clima de tranqüilidade agradável às elites do país, que vivem em seus próprios complexos residenciais com um nível de vida muito superior ao resto da população.
 

 


0
COMENTÁRIOS

    Se queres comentar ou

 



 
 
ESTÁS EM: - - Execução pública de norcoreanos por ter biblias
 
 
 
 
RECOMENDAÇÕES
 

Protestante Digital é um diário online gratuito que se financía por meio da publicidade e patrocinadores. Para apoiar nosso trabalho e poder seguir desenvolvendo esta atividade de uma maneira aberta aos leitores, você pode fazer uma doação mediante PayPal ou fazendo uma transferência bancaria (com o assunto: Doação Protestante Digital).

ES85 21000853530200278394
 
PATROCINADORES
 

 
AEE
PROTESTANTE DIGITAL FORMA PARTE DA: Alianza Evangélica Española
MEMBRO DE: Evangelical European Alliance (EEA) y World Evangelical Alliance (WEA)
 

As opiniões vertidas por nossos colaboradores se realizam a nível pessoal, podendo coincidir ou não com a postura da direção de Protestante Digital.