domingo, 24 de junho de 2018   inicía sessão ou registrar-te
 
Protestante Digital
 
Flecha
 
 
SIGA-NOS EN
  • Twitter
  • Facebook
 

Newsletter
Newsletter, recebe todas as notícias em tua bandeja de entrada
 
 
 
 

ENCUESTA
Encuesta cerrada. Número de votos: 0
VER MÁS ENCUESTAS
 



Luzes e sombras
 

Perseguição encoberta a cristãos opositores em Cuba

Em Cuba existem seminários bíblicos, igrejas com edifícios próprios e liberdade para o rendimento de Biblias, mas não todos os cristãos gozam destes direitos.
MADRID 16 DE NOVEMBRO DE 2012

Após dedicar várias edições ao "mundo muçulmano", o último Boletim de Oração pela Igreja Perseguida, elaborado pela Comissão de Liberdade Religiosa da Aliança Evangélica Espanhola, está dedicado ao "mundo comunista". O mesmo apresenta a classe de perseguição chamada encoberta" que se dá actualmente em Cuba e inclui também uma notícia sobre perseguição em Rússia.



“Ainda que Rússia atualmente não se encontra na lista dos 50 países onde os cristãos sofrem maior perseguição, ainda se dão situações de perseguição por via de arbitrariedades da administração, tal como ainda temos casos em nosso próprio país”, expressa.



O objetivo do Boletim é animar aos cristãos a orar por aqueles irmãos que sofrem perseguição por causa de sua fé. “Rogamos-te que animes a outros a fazer o mesmo, para o qual podes fazer extensivo o Boletim a quem consideres oportuno para promover a intercesão pelo fortalecimento na fé de nossos irmãos e pela extensão da Obra do Senhor em países onde crer e anunciar o Evangelho exige um maior preço”.



SITUAÇÃO EM CUBA

Baseando no artigo "A verdade sobre a perseguição em Cuba", publicado pela Voz dos Mártires no passado 11 de Outubro, o Boletim informa que Cuba um dos poucos regimes comunistas existentes na atualidade- continua isolada do resto do mundo. “O regime totalitário não permite oposição de nenhum tipo. Os grupos religiosos queixam-se de vigilância generalizada e a infiltração por parte de agentes de segurança do Estado. Os pastores e os cristãos são às vezes pressionados para deixar a evangelização e limitar suas atividades aos locais da igreja. Ainda que a maioria dos cristãos na ilha são católicos, nos últimos anos têm experimentado um grande crescimento os cristãos protestantes, especialmente entre os jovens”, expressa.



O texto expressa que “apesar das mudanças, o governo cubano ainda maltrata e marginaliza aos cristãos, especialmente àqueles que vivem de acordo a suas convicções bíblicas. Um operário cristão na ilha caracterizou a perseguição como ´discreta´. Às vezes se infiltran na igreja informadores do governo”.



Também reconhece que desde que o governo redefiniu Cuba como uma nação laica em lugar de atea, os evangélicos têm experimentado uma era de tolerância. “Podem reunir-se sem permissão, mas são ignorados pelo governo. Como exemplo desta tolerância, uma igreja de uns 1.000 membros, tem dado a luz a 18 igrejas em casas independentes. Estas novas congregações variam em tamanho desde 300 até 700 pessoas”.



CRENTE E REVOLUCIONÁRIO

No entanto, em nosso meio também se escutam outras vozes que falam da liberdade que gozaram sempre os evangélicos em Cuba, ou ao menos uma grande parte deles. Juan Antonio Monroy, quem visita regularmente Cuba desde faz 26 anos, relata num artigo publicado em junho passado que “quando Fidel e seus seguidores lutavam em Serra Mestre contra o exército de Batista, um homem jovem, Frank País, era o chefe Nacional de Ação do 26 de julho. Sua responsabilidade abarcava toda a ilha. Era tão importante na clandestinidade como Fidel na frente. Frank era filho do galego Francisco País, por então pastor na Primeira Igreja Bautista em Santiago de Cuba, onde Frank pregava com frequência. Era crente e era revolucionário. Mais: no Parlamento de Cuba há dois deputados, Raúl Suárez, pastor batista, e Sergio Arce, pastor presbiteriano. Ambos são crentes e membros do partido comunista”.


No entanto, em nosso meio também se escutam outras vozes que falam da liberdade que gozaram sempre os evangélicos em
Desde 1986, Monroy leva ao menos 58 viagens à ilha caribenha. “A cada vez que chego ao aeroporto alugo um carro e percorro o país de ponta a ponta, os mil quilómetros que separam Pinar do Rio de Guantánamo ou Santiago de Cuba. Prego a Biblia em casas particulares, em templos, em pequenos locais, jamais tenho sido molestado. Senti-me mais livre como líder protestante em Cuba que na Espanha de Franco. A única condição que exige o Governo é que se respeitem as leis do país. Muito normal”, afirma.



Cabe mencionar que em fevereiro de 2008, o livro ‘Frank País: Um líder evangélico na revolução cubana’, do escritor Juan Antonio Monroy, foi reeditado com a colaboração do Executivo cubano e apresentado na Feira Internacional do Livro que teve lugar em Havana.


PERSEGUIÇÃO OCULTA

Muito escreveu-se e dito a respeito da abertura do governo cubano para os cristãos da ilha. Mas os setores opositores ao governo mantêm que a perseguição continua, ainda que agora é mais oculta.



O Boletim de Oração pelos Cristãos Perseguidos menciona o caso de um pastor cubano, ao que apresenta como David (nome suposto), quem tem exercido seu ministério em Cuba durante 35 anos e atualmente tem vários problemas de saúde relacionados com o estréss. Seus médicos aconselharam-lhe retirar do ministério. “Outros pastores estão a sofrer de depressão”, aponta o Boletim.



O pastor David afirma que para não ter problemas, em Cuba não se pode dizer nada na contramão do governo, e que ele tem sido interrogado mais de 20 vezes, também golpeado e ameaçado. Sempre segundo as declarações do pastor, seus interrogadores o acusaram de utilizar métodos de adoutrinamento secreto" dos Estados Unidos para o crescimento de sua igreja e foi condenado a trabalhar durante seis meses limpando retretes públicos.



Durante mais de quatro anos David não pôde conseguir permissão para sair da ilha. Afirma que os servidores públicos lhe deram diferentes desculpas: "Temos perdido os papéis" ou "Não nos chegou sua solicitação". Ademais, quando conseguiu obter uma conexão telefônica para sua casa, o
primeiro telefonema que recebeu foi do escritório de segurança do Estado,lhe advertindo que conheciam seu número de telefone e lhe deram uma advertência: "Podemos fazer que algo lhe suceda se queremos".



FALTA DE BÍBLIAS

O Boletim informa que a perseguição se manifesta também através da falta de Biblias na ilha.“Não tem tido uma livraria cristã na ilha durante 53 anos, e as Biblias só se importam através das igrejas que são membros do Concilio Ecumênico, uma associação de igrejas que colabora com o governo e inclui só o 10 por cento de todas as igrejas”, afirma David. Obviamente, sua Igreja não é parte do Concilio Ecumênico. Ele nunca quis unir a este grupo porque seus membros apoiam a revolução socialista e o Estado cubano. “Como consequência, os membros de sua igreja nunca têm suficientes Biblias”.



O pastor tem declarado que recentemente, três servidores públicos apareceram num culto dominical e lhe advertiram que a solicitação que tinha apresentado para construir um parking para a igreja não seria aprovada. Ademais, um vizinho da igreja, construída no mesmo predio onde está a moradia de David e sua família, se queixa pelos ruídos, pincha as rodas dos carros que estacionam em frente à igreja e pôs em marcha uma campanha de assinaturas para pedir que os expulsem do bairro.



SERVIÇOS BÁSICOS E EDUCAÇÃO

Por outra parte, David declara que a Municipalidade se nega a proporcionar o serviço de gás natural para cozinhar, ainda que todos os demais vizinhos têm este serviço. “Negar o acesso aos serviços aos cristãos é outra forma em que o governo simplesmente lhes faz a vida mais difícil: Negam-se-lhes direitos e oportunidades. Os cristãos com frequência são despedidos de seus postos de trabalho, ou não se lhes permite solicitar um determinado posto. Os melhores trabalhos outorgam-se aos membros do Partido Comunista. Os meninos são obrigados a renunciar a Cristo e abraçar o comunismo na escola. Aos jovens cristãos com frequência não se lhes permitia graduar-se da escuela secundária ou entrar na universidade”, aponta o Boletim



Ao respeito, em ocasião da visita do Papa a Cuba em março passado, uma jornalista espanhola escreveu: “Até os anos 80 praticar qualquer religião era motivo para negar a qualquer pessoa a matricula em determinadas universidades”. A este comentário, Juan Antonio Monroy contestou da seguinte maneira: “Falso. Entre 1980 e o 2012 que estamos a viver decorrem 32 anos. Tenho dois amigos médicos que passam os 50, crentes evangélicos, e estudaram na Universidade. Um médico internista em Havana, e outro médico urólogo em Santiago de Cuba. Leste tem três irmãs que também estudaram na Universidade. Como estas pessoas há outras muitas, evangélicas e católicas com títulos universitários obtidos antes de 1980”.



MOTIVOS DE ORAÇÃO POR CUBA

O Boletim apresenta vários motivos de oração pela situação dos cristãos em Cuba: "Louvemos a Deus pelas mudanças em Cuba e pelo crescimento da igreja em Cuba e peçamos que continue. Oremos pelos jovens interessados convertidos recentemente ao Evangelho, que o Senhor lhes fortaleça e afirme pára que possam dar depoimento e atrair a muitos a Cristo. Oremos para que o Senhor permita a abertura de novos canais de distribuição de Biblias na Ilha (hoje só se permitem sua distribuição através dos canais oficiais). Oremos por David e outros operários como ele, para que o Senhor lhes fortaleça em seus ministérios e pela formação de novos operários. Oremos para que o Senhor faça mudanças nas leis, os governantes, os servidores públicos e o povo de Cuba em general que gerem um novo clima de respeito pelas crenças religiosas".



ARBITRARIEDADE EM RUSSIA

A informação sobre Rússia baseia-se numa publicação de Fórum 18 News e está referida a um fato ocorrido em Moscou o passado 6 de setembro, quando “trabalhadores não identificados, respaldados pela polícia e voluntários civis, derrubaram a Holly Trinity Church (Igreja da Santísima Trinidad) no este da cidade. Dois dias mais tarde, o pastor foi acusado de celebrar uma reunião não autorizada nos terrenos da igreja demolida”.

O texto informa que os trabalhadores chegaram a meia-noite com bulldozers e excavadoras para demolir a estrutura da igreja. Um cuidador da igreja foi levado à delegacia e impediu-se-lhe pôr-se em contato com os restantes membros durante três horas.



O pastor da igreja, Vasili Romanyuk, correu à igreja para tentar impedir a demolição e outros membros da igreja chegaram para ajudar a resgatar o que pudessem do interior do edifício mas os voluntários civis rodearam o lugar e lhes impediram o acesso. Além da demolição do edifício, aplastaron um carro e levaram-se um gerador, os equipamentos de som, mesa de misturas, microfones, instrumentos musicais, livros e outros objetos de valor.



Por la mañana, el edificio de la iglesia se había convertido en una pila de escombros. Losoperarios no revelaron quiénes eran ni quién los había enviado, pero hicieron su labor con la protección de la policía. La iglesia celebró un culto al aire libre el 8 de septiembre en terreno del templo demolido.



HISTÓRIA DA CONTENDA JUDICIAL

A Holy Trinity Church foi fundada em 1979 por Serfim Marin, um homem que passou 18anos em campos de trabalho soviéticos por sua fé, e a igreja foi registada oficialmente pelas autoridades soviéticas.

A igreja vinha mantendo uma contenda judicial com as autoridades municipais de Moscou, sobre os terrenos em que se encontrava o edifício. Em 1995, as autoridades locais obrigaram à congregação a sair de um primeiro edifício e proporcionaram-lhes em arrendamento um novo terreno em outro lugar. Ali fizeram um edifício temporário mas as autoridades de Moscou detiveram a permissão para construir e posteriormente, em 2005, anularam unilateralmente o contrato de arrendamento do terreno que eles mesmos tinham atribuído.


Em 2010, o Ministério Público apresentou uma demanda na contramão da igreja, exigindo retirar a construção e abandonar o terreno. Uma falha judicial maio 2011 declarou que a igreja está a ocupar "terra em disputa sem nenhuma base legal", mas nunca receberam notificação oficial de uma resolução firme que ordenasse o derrubo.



ORAÇÃOPELA IGREJA EM RÚSSIA

Os motivos de oração propostos neste caso são os seguintes: Oremos pelo pastor Romanyuk e os demais membros da Holly Trinity Church, para que o Senhor os conforte no meio desta angustiosa situação. Que para que o Senhor proveja à igreja um novo local no que poder celebrar os cultos. Oremos para que o Senhor faça mudanças em Rússia que neutralizem esta classe de arbitrariedades.



A informação deste Boletim pode ver-se em Facebook, na Corrente de Oração da Aliança Evangélica Espanhola cujo link de acesso é: http://eses.facebook.com/profile.php?id=100001872387079
 

 


0
COMENTÁRIOS

    Se queres comentar ou

 



 
 
ESTÁS EM: - - Perseguição encoberta a cristãos opositores em Cuba
 
 
 
 
RECOMENDAÇÕES
 

Protestante Digital é um diário online gratuito que se financía por meio da publicidade e patrocinadores. Para apoiar nosso trabalho e poder seguir desenvolvendo esta atividade de uma maneira aberta aos leitores, você pode fazer uma doação mediante PayPal ou fazendo uma transferência bancaria (com o assunto: Doação Protestante Digital).

ES85 21000853530200278394
 
PATROCINADORES
 

 
AEE
PROTESTANTE DIGITAL FORMA PARTE DA: Alianza Evangélica Española
MEMBRO DE: Evangelical European Alliance (EEA) y World Evangelical Alliance (WEA)
 

As opiniões vertidas por nossos colaboradores se realizam a nível pessoal, podendo coincidir ou não com a postura da direção de Protestante Digital.