terça-feira, 18 de junho de 2019   inicía sessão ou registrar-te
 
Protestante Digital
 
Flecha
 
 
SIGA-NOS EN
  • Twitter
  • Facebook
 

Newsletter
Newsletter, recebe todas as notícias em tua bandeja de entrada
 
 
 
 

ENCUESTA
Encuesta cerrada. Número de votos: 0
VER MÁS ENCUESTAS
 



Israel
 

As escolas cristãs em Israel, em greve

A comunidade cristã árabe do país mobiliza-se ante o que consideram uma discriminação. 33.000 crianças levam seis dias sem assistir as aulas.

FONTES Efe, Jerusalem Post Jerusalem 06 DE SETEMBRO DE 2015 20:48 h
Manifestação reclamando um trato igualitario para as escolas cristãs. / Ao Jazeera

Em Israel, depois da falta de acordo entre escolas cristãs e o Ministério de Educação, mais de 33.000 crianças não têm podido ir as aulas. Ambas partes devem tomar uma decisão sobre o financiamento que devem receber estes centros privados de ensino.



“As diferenças entre o Ministério e as escolas persiste, de modo que a greve continua”, informou a EFE o sacerdote Abdel Masih Fahim, coordenador da Secretaria Geral de Escolas Cristãs.



“As diferenças são grandes porque  cada um tem um ponto diferente de início”, acrescenta o religioso.



Estes centros acadêmicos pedem 100 milhões de shékels (25,5 milhões de dólares) ao Ministério de Educação.



Desde faz vários anos o sistema escolar cristão que inclui 33.000 alunos, se enfrentou severos recortes no financiamento.



Na semana passada, Rivlin convocou em seu escritório aos representantes das escolas cristãs e ao ministro de Educação, Naftalí Bennet, mas as negociações não têm avançado. “Parece que Bennet não vê as 33.000 crianças cristãs. As crianças permanecem em casa, mas ele nem os vê”, se queixou Abdel Masih.



Wadíe Abu Nasser, porta-voz do Patriarcado Latino de Jerusalém e pai de quatro filhos que levam três dias em casa sem ir ao colégio, assegurou que apoia “completamente a greve apesar do alto preço que tem para todos nós”.



O sistema escolar cristão em Israel, com um status legal de “reconhecido mas não oficial”, tem o índice de excelência mais alto do país e por isso recusam a oferta de Bennet de se converter em “oficiais” e obter financiamento de 100%.



“Há ademais uma questão de valores. As escolas cristãs têm uma missão: ali inculcamos valores -cristãos e não cristãos- que não vemos no resto de escolas israelitas, nem nas judias, nem nas muçulmanas nem nas drusas”, afirmou Abu Naser.



Para pressionar politicamente, a comunidade tem convocado uma série de manifestações e envolvido aos deputados da minoria árabe, que faz só três dias obtiveram do premiê, Benjamín Netanyahu, uma partida extra de 900 milhões de shékels (204 milhões de euros ou 229 milhões de dólares) para as escolas públicas que servem à minoria árabe.



Ademais têm anunciado que poderiam pedir aos gestores dos lugares turísticos cristãos do país que também se unam à greve fechando suas instalações.



Perguntado por Efe, Abu Naser reconheceu que, ainda que mencionaram de passagem o tema, os deputados não exerceram a mesma pressão política que para a rede de escolas públicas que serve à comunidade muçulmana, como eles também, de origem palestiniana.



“Desgraçadamente, sua atitude para os cristãos é a de não nos ver, e dizer ‘esta gente são uns poucos, demasiado educados como para fazer lío, não são violentos… máximo convocam uma greve'”, concluiu Abu Nasser.


 

 


0
COMENTÁRIOS

    Se queres comentar ou

 



 
 
ESTÁS EM: - - As escolas cristãs em Israel, em greve
 
 
 
 
RECOMENDAÇÕES
 

Protestante Digital é um diário online gratuito que se financía por meio da publicidade e patrocinadores. Para apoiar nosso trabalho e poder seguir desenvolvendo esta atividade de uma maneira aberta aos leitores, você pode fazer uma doação mediante PayPal ou fazendo uma transferência bancaria (com o assunto: Doação Protestante Digital).

ES85 21000853530200278394
 
PATROCINADORES
 

 
AEE
PROTESTANTE DIGITAL FORMA PARTE DA: Alianza Evangélica Española
MEMBRO DE: Evangelical European Alliance (EEA) y World Evangelical Alliance (WEA)
 

As opiniões vertidas por nossos colaboradores se realizam a nível pessoal, podendo coincidir ou não com a postura da direção de Protestante Digital.