domingo, 25 de junho de 2017   inicía sessão ou registrar-te
 
Protestante Digital
 

 
 
SIGA-NOS EN
  • Twitter
  • Facebook
 

Newsletter
Newsletter, recebe todas as notícias em tua bandeja de entrada
 
 
 

ENCUESTA
Encuesta cerrada. Número de votos: 0
VER MÁS ENCUESTAS
 



 

Mais chegado que um irmão...

Quer ser feliz? Seja amigo, tenha um amigo! Em breve você descobrirá que há amigos que são mais chegados que um irmão...
ESPERANÇA AUTOR José Aldoir Taborda 18 DE DEZEMBRO DE 2011

exitem amigos mais chegados que um irmão


Carlos estava muito desanimado quando veio ao meu escritório. Pastor, - disse-me – quero mudar de igreja, pois não tenho mais ambiente para permanecer aqui. Sinto-me completamente infeliz, rejeitado. Estou sofrendo, não tenho mais alegria em trabalhar.


No auge de sua crise existencial, Carlos, com os olhos cheios de lágrimas, derramou naquele dia todas as mágoas e ansiedades de seu coração ferido. Ele amava Jesus de todo o coração, era muito esforçado nas atividades da igreja, mas, infelizmente não lograra êxito em todo seu esforço.


Enquanto o escutava desfiando suas mágoas e fracassos, clamei ao Senhor por uma palavra que pudesse ajudar aquele moço que demonstrava tão grande sofrimento, e fiz-lhe então uma pergunta simples: quem é seu amigo?


Carlos olhou-me perplexo, surpreso com a pergunta. Seus olhos mostraram um brilho diferente, triste, mas respondeu: sou amigo de todos. Definitivamente não fiquei satisfeito com a resposta e voltei a perguntar: quem é seu amigo íntimo, aquele com quem você compartilha mágoas, você pede oração e ajuda, você tem coragem de contar seus fracassos e necessidades. Com voz triste, lábios tremendo e olhos lacrimejantes, respondeu: não tenho ninguém assim!


Conversamos mais um pouco, abracei-o e orei por ele. Choramos juntos por um tempo e, quando terminei a oração ele estava com um novo sorriso nos lábios e, com os olhos brilhantes, me disse: “pastor, eu tenho um amigo íntimo. Você é meu amigo íntimo. Com você posso conversar tudo”.


Naturalmente que uma pessoa não se torna amigo íntimo numa fração de segundos, todavia aprendi com esta experiência que todas as pessoas têm vontade de ter amigos e que, apesar disso, de terem amor no coração, por alguma razão não conseguem desenvolver uma relação de companheirismo, afeição e amizade, mesmo estando cercado de pessoas conhecidas. Então, a primeira coisa a fazer é buscar orientação na palavra de Deus que nos permitam construir amizades genuínas e duradouras.


Na epístola de Paulo aos Colossenses encontramos as seguintes palavras orientadoras: “Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de ternos afetos de misericórdia, de bondade, de humildade, de mansidão, de longanimidade. Suportai-vos uns aos outros, perdoai-vos mutuamente, caso alguém tenha motivo de queixa contra outrem. Assim como o Senhor vos perdoou, assim também perdoai vós” (Cl 3.12,13).



Em primeiro lugar ele afirma que devemos nos revestir de ternos afetos e misericórdias. Revestir-se significa vestir outra vez. Frequentemente perdemos a ternura em nossas relações diárias. A repetição de determinadas atitudes vão nos endurecendo de tal maneira que perdemos a capacidade de sermos gentis e compreensivos com os erros das pessoas que nos cercam. A ternura recupera nossa capacidade de entender o outro. E, entender o outro, é o primeiro passo para uma amizade construtiva.



Em segundo lugar, Paulo afirma que precisamos nos revestir de humildade e mansidão. Estas duas palavras encerram o conceito de bondade e paciência. Um dos principais impedimentos para uma amizade frutífera é o orgulho inconsciente. Algumas pessoas, apesar de protestarem humildade, na verdade manifestam grande dificuldade em concordar com a opinião dos outros e quando são forçados a concordarem sentem-se fracassados, derrotados, sem alegria. Esta postura é praticamente involuntária, mas ergue barreiras enormes, pois torna a pessoa um juiz do seu semelhante, fazendo-o perder a mansidão, e, perdendo a mansidão, lá se vai a bondade... é por causa destas manifestações de orgulho “espontâneas” que Paulo diz para revestir-nos de ternura e misericórdia.


Porém, ninguém consegue fazer real progresso no desenvolvimento de amizades genuínas se não exercitar a capacidade de perdoar e de oferecer o ombro como suporte nos momentos de fraqueza do outro. Mas não é apenas a capacidade de perdoar que precisa ser desenvolvida, mas especialmente a de pedir perdão. A idéia bíblica de relacionamento é que deve haver mutualidade nas atitudes. A expressão “uns aos outros” é muito comum nas escrituras: “levai as cargas uns dos outros” (Gl 6.2), “exortai-vos uns aos outros” (1Ts 5.11), “suportai-vos uns aos outros” (Ef 4.2). Isso mostra que é preciso considerar que numa relação de amizade sempre haverá um momento de necessidade. Não há superioridade. Não há apenas um que compreende e um que é compreendido. É sempre uma via de mão dupla, onde ajudamos e somos ajudados, onde perdoamos e somos perdoados, onde suportamos e somos suportados.


Para terminar, não esqueça da misericórdia. Ter misericórdia é compadecer-se da miséria do outro. Procure sempre estar atento às necessidades das pessoas, e aproxime-se dos outros com um interesse genuíno de ajudar.


Uma pessoa predisposta a servir jamais sentir-se frustrada ou deixada de lado. Preciso dizer que o Carlos é outra pessoa desde aquele dia que compreendeu sua fragilidade e dependência das pessoas, mas também compreendeu que deve tomar iniciativas na direção do outro.


Quer ser feliz? Seja amigo, tenha um amigo! Em breve você descobrirá que há amigos que são mais chegados que um irmão. Não deixe que suas atitudes, ainda que inconscientes, se transformem em cadeados que trancam as portas do relacionamento interpessoal. Revista-se do novo homem. Ninguém precisa ser “mole”, mas todos devemos cuidar para que nossa firmeza não anule a ternura.


São muitas as pessoas que navegam neste mar tempestuoso, lutando sozinhos contra as ondas bravias da modernidade, e muitas vezes tombam enfraquecidos sem ao menos tentarem uma ação diferente, ou porque consideram depreciativo clamar por ajuda.


Não viva sozinho. Amir Klink, escritor brasileiro e empreendedor de expedições marítimas fala da importância de um amigo, quando diz: “Quem tem um amigo, mesmo que um só, não importa onde se encontre, jamais sofrerá de solidão; poderá morrer de saudades, mas não estará só”.


E o autor de provérbios conclui: “O homem de muitos amigos deve mostrar-se amigável, mas há um amigo mais chegado do que um irmão” Provérbios 18:24.
 

 


0
COMENTÁRIOS

    Se queres comentar ou

 



 
 
ESTÁS EM: - - - Mais chegado que um irmão...
 
 
 
 
RECOMENDAÇÕES
 

Protestante Digital é um diário online gratuito que se financía por meio da publicidade e patrocinadores. Para apoiar nosso trabalho e poder seguir desenvolvendo esta atividade de uma maneira aberta aos leitores, você pode fazer uma doação mediante PayPal ou fazendo uma transferência bancaria (com o assunto: Doação Protestante Digital).

ES85 21000853530200278394
 
PATROCINADORES
 

 
AEE
PROTESTANTE DIGITAL FORMA PARTE DA: Alianza Evangélica Española
MEMBRO DE: Evangelical European Alliance (EEA) y World Evangelical Alliance (WEA)
 

As opiniões vertidas por nossos colaboradores se realizam a nível pessoal, podendo coincidir ou não com a postura da direção de Protestante Digital.